Quinta-feira, 17 de Agosto de 2006
Ciao Italia - IV
Quarto Giorno (13/Aug/2006): O dia de hoje foi reservado para aproveitar o sol e a praia! Ou assim sonhávamos. Quando chegámos a Monterosso, a maré estava tão cheia que pouco espaço havia para nos deitarmos – parecia as praias da Costa da Caparica. Pior, muito do espaço era privado, reservado para hotéis e outros concessionários! Ora, os restos de areia que restavam estavam complemente atulhados de gente – nunca vi tantos banhistas na mesma língua de praia, parecíamos sardinhas enlatadas. Como se não fosse bastante, pelo meio-dia começou a chover desalmadamente. Fomos comer um gelado e esperámos – ainda conseguimos fazer praia por mais hora e meia e sentarmo-nos para apreciar alguns dos petiscos da região numa tasca (interessante, tinham uma especialidade muito parecida com a Soca de Nice, à base de grão-de-bico).
Directamente da praia fomos para um festival medieval. No caminho passamos pelas praias de Massa – um amontoado de parques de campismo, vivendas e palacetes ao longo de uma estrada paralela ao mar – tipo estrada que faz da Trafaria ate à Fonte da Telha. Chegados à festa medieval, encontrámos bastante gente e actividade. Fomos até às tabernas experimentar as focaccia (http://en.wikipedia.org/wiki/Focaccia), sandes de leitão, crepes salgados com Nutela e outras iguarias. Houve ainda demonstrações de lutas medievais, muitos músicos e animadores. Bom mas nada tão grandioso como as festas medievais lá para os lados de Genebra. O pior foi que – de novo - começou a chover e, pelas 11h30, tivémos de ir embora. Daí fomos para Sarzana ver os últimos minutos das exposições de antiquários ("Sofitta nella strada"). Entre a 1 e as 2 da manha, ficámos num café/restaurante, tipo palacete do séc. XIX. Impressionante. Finalmente, seguimos na direcção de Pisa até ao Aeroporto Galileu Galilei. Ainda tivemos de esperar uma hora até eles abrirem as portas, pelas 4h30. Depois foi um instante enquanto o check-in foi feito e embarcámos. Escusado será dizer que não dormi nada - outra vez! (OK, talvez uma hora, se tanto e se juntarmos os poucos minutos no avião e no autocarro para Cambridge).


publicado por pmfjcosta às 19:41
link do post | comentar | favorito

Ciao Italia - III
Terzo Giorno (12/Aug/2006): Mais uma noite bem dormida. A aldeia é um paraíso de sossego, apenas se ouvem as badaladas do sino da igreja de quando em quando. Choveu bem durante a noite mas o dia amanheceu seco. O principal programa para hoje foi a visita a uma extensa gruta na Toscânia. Passámos cerca de duas horas lá dentro, sempre a andar. Na entrada, extensos blocos de mármore escavados, autenticas paredes desta pedra. Na gruta, as temperaturas rondam os 10 C. Uma visita fabulosa por aqueles túneis naturais. Caminhos tortuosos, com lagos subterrâneos amiúde e jorros de água, estalagmites, estalactites, etc. Depois disto, andámos à volta pela região parando aqui e acolá para contemplar as vistas. A Ol. ia-nos mostrando alguns dos sítios onde fez restaurações (igrejas, castelo, museus, ...). Ao cair da noite, seguimos para o restaurante. Fomos jantar numa vila pesqueira. Pessoalmente, fui para a posta de espadarte. Os outros foram para robalos, solhas e douradas. Soube bem, já há algum tempo que não comia peixe fresco! Ainda houve tempo para ver o festival de artes e pinturas local até cerca das 23 h, quando decidimos voltar para Pignone.


publicado por pmfjcosta às 00:08
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 15 de Agosto de 2006
Ciao Italia - II
Secondo Giorno (11/Aug/2006): Dormimos até quase meio-dia. Merecido pois, na noite anterior, tinha dormido cerca de 3 horas. Tomámos o pequeno-almoço na pensão e depois fomos passear. Começámos na aldeia Monterosso al Mare, sita na Riviera di Levante, Ligúria, onde andámos a passear pela beira-mar. Daí apanhámos o barco que fez o percurso costeiro do Parco Nazionale delle Cinque Terre (http://en.wikipedia.org/wiki/Cinque_terre). Uma viagem de cerca de 45 minutos até Portovenere. Muito bonito. Uma vegetação densa, tipo mediterrânea, que faz lembrar a Serra da Arrábida (mas com mais árvores); vêem-se os penhascos cobertos de pedra mármore tão típica desta região (baste pensar nos mármores de Carrarra, ali a poucos km), assim como pequenas aldeias encrostadas nas montanhas (fazem lembrar aquelas do filme Il Postino). Este parque é património mundial da humanidade e é fácil perceber porque quando nos passeamos por lá. Portovenere é possivelmente a mais turística das aldeias da costa, ficando perto de La Spezia (http://en.wikipedia.org/wiki/Portovenere). Aqui ainda houve tempo para provar um gelado bem italiano assim como umas Foccacias. Tem umas ruelas bem engraçadas assim como uma igreja no topo de uma falésia digna de se visitar (San Pietro). Depois de fazer o percurso inverso até Monterosso, seguimos de carro para Pignone onde fomos jantar ao restaurante local. A surpresa da noite foi saber que éramos famosos pois já toda a gente sabia dos nossos infortúnios (a dona da pensão tinha andado a contar a estória aos amigos, que é como quem diz - a toda agente na aldeia!).


publicado por pmfjcosta às 22:41
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 14 de Agosto de 2006
Ciao Italia - I
Uns dias de interregno mas com uma boa razão - acabo de chegar da Itália. É preciso dizer que para 4 dias tivemos bastantes aventuras!
Primo Giorno : eu e a Mar. apanhámos o autocarro das 3.45 para Stansted (bom, teoricamente pois este veio com 30 minutos de atraso). Chegando a Stansted , um cenário quase dantesco - aparte as obras, havia polícia estacionada a barrar algumas entradas, agentes armados com metralhadoras. Estranho, muito estranho. 5 da manha, terminal de partidas – uma imensa multidão enchia o aeroporto. A esta hora da manha? Dirigimo-nos para o guichet de check-in onde nos disseram que só podíamos levar para bordo um saco de plástico com dinheiro e documentos. Tudo o resto tinha de ir para as bagagens! Ora esta é que nunca vi! O resultado foi claro toda a gente a refilar e para ser pior, muito pouca informação sobre o que se passava. Repetiam que não podíamos levar bebidas ou tão pouco livros para bordo. Os rumores eram que haviam uns aviões militares israelitas a fazer escala em Stansted vindos dos US .
No meio desta confusão encontrámos o Poov . Fomos para as portas de embarque. Passar a segurança foi uma outra aventura! Eu e a Mar ainda nos safamos mais ou menos, mas o Poov esteve quase 1h30 para passar a imigração (ele é da África do Sul). Depois de tudo isto ainda estivemos à espera mais uma hora no avião! Resultado: partimos com umas 3 horas de atraso!
Seria bom que o azar (ou a esfiga , como os italianos lhe chamam) tivesse ficado por aqui. Mas não, o pior estava para vir.
Chegados a Pisa, com um valente atraso, a Ol esperava-nos para nos levar a visitar a famosa Torre de Pisa. Claro que antes andamos às voltas no trânsito de Pisa – guiar nas ruas de cidades italianas é preciso todo um curso avançado de condução! Estacionámos o carro e fomos ver a torre – aquilo é mesmo inclinada. Realmente parece incrível como não cai! Tal qual italianos, fomos comer um esparguete. Seguimos de volta para o carro eram umas 3 da tarde.
Pois não é que quando chegámos ao Fiat Punto da Ol , tínhamos sido roubados! Levaram todas as mochilas! E não é que estivessem à mostra ou coisa do género! Uma autentica telenovela! Perdemos todas as roupas, chaves, etc...a Ol , coitada, ficou sem a câmara de filmar, a máquina fotográfica, uma porrada de dinheiro, etc...Porca miséria! Tivemos de passar umas horas na esquadra dos Carabineri para apresentar queixa. Enfim, certo é que já não voltamos a ver o nosso material!
Chegámos bem desanimados a casa dos pais da Ol e eles foram muito simpáticos. Tem uma casa muito bem situada no alto da colina com vista para a baía de La Spezia . O pai dela que está reformado da marinha mercante e agora dedica-se a produzir vinho e azeite. A Ol ia fazendo de tradutora mas eu também conseguia entender-me mais ou menos com eles, misturando italiano, espanhol e português q.b.! Enfim, apesar de todas as desgraças o dia valeu bem a pena. Depois do jantar, fomos para a aldeia de Pignone onde ficamos na pensão. Bem castiço e muito sossegado.
 


publicado por pmfjcosta às 22:37
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 7 de Agosto de 2006
Do Mexico a Italia
Ahoj ,
no sábado houve festa da Sociedade Mexicana aqui no Wolfson . Embora este esteja quase vazio, ainda vieram umas boas dezenas de latinos-americanos e outros foliões. Como sempre acontece com os mexicanos, muita salsa, bachata e ritmos afim. Bebemos a garrafa que trouxe do Canada, bem bom, quem diria que para os lados das cataratas de Niagara eles faziam vinhos doces de primeira? Ontem foi domingo soalheiro, bom para um passeio ao parque Milton, no Norte de Cambridge. Fiquei agradavelmente surpreso, não conhecia – vale a pena passar umas horas por lá. O Genovês, Andreas , fez 35 anos. Convidou os amigos do MBA e do voleibol e alguns outros aqui do Wolfson . Fomos jantar ao La Raza , alguns deles foram andar nos punts antes.
Entretanto, dou-me conta que deveria ter carimbado os meus recibos no aeroporto de Toronto. O governo do Canada oferece tax refund aos não residentes desde que estes enviem os originais dos recibos com o carimbo das autoridades alfandegueiras. Sabia do programa, desconhecia a necessidade do selo.
Mais uns dias e estou de partida para a Itália. Stansted-Pisa , na Ryanair . Vamos um português, um sul-africano e uma eslovaca. No destino estará a Ol., a nossa anfitriã italiana. Muito internacional :) Vamos dar uma vista de olhos pela Tuscania , que pouco ou nada conheço (passei por lá há uns quase 10 anos quando andava nas aventuras dos inter-rails europeus).


publicado por pmfjcosta às 23:51
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 4 de Agosto de 2006
Back to reality

De volta a Inglaterra, estou em luta contra a fatiga e a diferença de fusos horários . Já sei o que a casa gasta nestas situações ...dois, três dias até as coisas se recomporem...

Por terras de Sua Majestade, tudo igual. Cambridge está meio deserta - típico Agosto - turistas aos molhos, muitas das caras do colégio partiram para outros cantos do mundo. Dou-me conta que o meu quarto é cada vez mais pequeno para as minhas coisas. Preciso de fazer uma daquelas valentes arrumações de sótão ! O que vale é que tenho mesmo de faze-lo pois mais umas semanas e voilá, estou no Japão .

Bye for now



publicado por pmfjcosta às 23:05
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 1 de Agosto de 2006
Best before / meilleure avant
Ora o que há para fazer nestes últimos dias? Mais que tudo é tentar empacotar todo o trabalho de modo a ter um conjunto coerente para poder levar para Cambridge.
 
Devo dizer que quando para cá vim, o meu projecto era demasiado extenso e ambicioso. Nada de surpreendente pois a minha estadia foi encurtada de três para dois meses. E o projecto foi pensado para três! A ideia original era ficar de Maio a Agosto mas a avaliação levou mais tempo que eu esperava. Resultado - Junho e Julho apenas! Assim, o lado experimental do projecto teve de ir à vida! Duas razoes: restrições de tempo e problemas com o microscópio. No primeiro caso, dei-me conta que seria impossível aprender a trabalhar como o programa de cálculos ab-initio e, simultaneamente, efectuar as experiências de microscopia, em apenas dois meses. Tive de escolher! No segundo, fui informado que o microscópio seria transferido no fim da primeira semana de Julho. Isto significa que durante o mes de Julho não haveria passibilidade de fazer as experiências. Ora isto deixava-me pouco mais de um mes para o trabalho experimental e com um microscópio bastante ocupado (há mais utilizadores que eu e com maior prioridade também)! Ora com tudo isto decidi dedicar-me a aprender Wien2k que é um programa de cálculos de estrutura electrónicas para sólidos cristalinos. Baseia-se nos métodos da teoria de funcionais de densidade (DFT) a qual tem muito sumo por detrás em termos de física e química quânticas! Mas mesmo assim acho que valeu a pena. Possibilitou-me aprender uma ferramenta de trabalho que espero seja bastante útil no futuro e também a interacção com alguns dos melhores especialistas de EELS. E, francamente, embora McMaster não seja o gigante de Cambridge no panorama académico mundial, não está nada mal! Aliás em certos pontos acho que aqui as coisas funcionam melhor.
 
Ao nível pessoal foi uma óptima experiência – vim visitar um país do qual conhecia pouquíssimo e encontrei aqui gente bastante simpática. Tenho pena de não poder ficar para o começo da época de hóquei em gelo, de não ter ido as montanhas, de não ter ido ver os grandes lagos, Vancouver, Nova Iorque... Enfim, fica muito por fazer.
 
Até mais ver, Canadá!


publicado por pmfjcosta às 03:15
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
Novembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

The end (sort of)

Chinesices

A preguiça ao poder

Espreitando o mundo da al...

Pirotecnia servida aos tr...

Um chapéu de três bicos

Talk shows japoneses

Um novo sensei: Nakagawa-...

Martin, contador de histó...

A Tour Eiffel, ao vivo e ...

arquivos

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

links
blogs SAPO
subscrever feeds